É MELHOR PREVENIR DO QUE RECUPERAR!!!


Um dos sucessos do PROERD é justamente a tríade POLÍCIA, FAMÍLIA E ESCOLA, e devemos destacar a grande parceria que as entidades de ensino vem mantendo conosco. Abaixo, segue uma artigo da professora Débora, parceira do PROERD no ano de 2011 na cidade de Currais Novos com o currículo "Caindo na Real", relatando a importância do PROERD na sociedade atual. Desde já agradecemos a professora e parabenizamos pela elaboração do artigo.

------------------------------------------------------------------------------------------------------------
O PROERD vem se destacando no desenvolvimento de atividades em todo Brasil e no mundo. Entre suas ações e atividades, busca promover uma parceria entre a polícia (instrutores capacitados), a escola, a família e a comunidade, procura envolver todos em debates sobre a problemática das drogas e em discussões sobre o impacto social causado pela violência. A tarefa não é fácil, pois desenvolver uma ação pedagógica de prevenção ao uso indevido de drogas e à prática de violência nas escolas mexe com questões problemáticas e, às vezes, o aluno já tem um certo grau de envolvimento com as drogas, até mesmo, com drogas lícitas, ou convive com situações de violência doméstica. 
Para ter uma ideia da dimensão do problema, uma pesquisa divulgada em novembro de 2011, realizada pela Confederação Nacional de Municípios (CNM), mostrou que a facilidade de acesso e o baixo custo do crack estão fazendo com que a droga se alastre pelo país e revela que o crack está substituindo o álcool nos municípios de pequeno porte e áreas rurais. Verificou-se também que o uso do crack se alastra por todas as camadas sociais, até por pessoas de baixa renda, “Dentre os 4,4 mil municípios pesquisados, 89,4% indicaram que enfrentam problemas com a circulação de drogas em seu território e 93,9% com o consumo. O uso de crack é algo comum em 90,7% dos municípios”. 
A escola, enquanto instituição responsável pela formação cidadã, precisa ter um olhar de atenção frente a tais fatos e realizar mudanças rápidas. Nos Estados Unidos, por exemplo, embora os alunos continuem sendo vítimas de bullying, e desse problema atingir mais às escolas, um estudo divulgado em abril do ano passado (2011), mostrou que as vítimas e os agressores de bullying, geralmente, são agredidos dentro de suas casas, constatou-se que as famílias violentas são a principal causa dessas agressões propositais; os participantes de bullying são vítimas de agressões físicas e/ou psicológicas por parentes, ou já foram expostos a situações que envolviam violência, aponta o Centro de Prevenção ao Controle a Doenças, do Departamento Público de Saúde de Massachusetts (EUA). Além disso, o estado vem combatendo o bullying com aprovação de lei que proíbe tais ações e exigem que as escolas desenvolvam práticas e intervenham de forma preventiva quando for evidenciado caso de bullying. 
A sociedade (família) deve rever suas práticas educacionais, a escola deve ter uma atitude mais rígida no que diz respeito à organização, à elaboração e à prática das normas previstas em seus regimentos escolares. O PROERD busca inovar com ações educacionais nas escolas com o propósito de impedir que drogas como o crack prejudiquem o desenvolvimento dos jovens, realizando um trabalho de prevenção e conscientização. Um trabalho árduo, contínuo, com resultados a médio e longo prazo, reconhecido e valorizado pelos que conhecem o trabalho. 

Débora Maria da Silva Oliveira. 
(Professora Especialista em Linguística e Ensino de Língua Materna pela UFRN).

Comentários

Postagens mais visitadas